Publicado em

Poema do livro “Café com Canela”, de Graci Sá

A título de degustação, transcrevemos  o poema presente na quarta capa do livro “Café com Canela”, de Graci Sá, à venda em nossa livraria. Segue também uma foto da autora no dia do lançamento da obra (colhida da página da escritora no Facebook).  Outro livro da coleção Sementes Líricas, aqui disponível para venda, é “Múltiplo Um”, da excelente poeta, ficcionista e dramaturga Maria Helena Latini (livro prefaciado por mim, Ricardo Alfaya).  E, num formato muito semelhante, seguindo a mesma linha editorial, “À Margem: volume 2”, do premiado Flávio Machado.  As três obras você encontra em nossa loja.

 

SE ESSA RUA

Se essa rua fosse minha
Eu mandava asfaltar
Tirava os buracos do caminho
E plantava uma árvore pra cada vizinho admirar

E essa não é promessa de outubro
Dessas que aparecem na televisão
É desejo, vontade. Merecia até um delubro

Não haveria solidão
Se essa rua fosse minha,
Não haveria roubos de coração
Muito menos, assaltos no portão

Se essa rua fosse minha
Eu colocaria trinta e uma flores na calçada
E pintaria de rosa as escadas
Só para todo mundo – e cada um
Passar mais tempo na sacada.

(Graci Sá)

 

Nota: “delubro” significa “templo pagão” (cfe. o Aurélio Eletrônico).